1. Cronograma

a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a

2. Introdução

Este módulo trata do design da pesquisa, no sentido que utilizam Epstein e Martin: a definição dos elementos que constituem a pesquisa a ser realizada, especialmente das estratégias de abordagem adequadas para resolver o problema de pesquisa.

O nome típico deste módulo seria "Metodologias na Pesquisa em Direito". Porém, esse título não esclarece bem para que servem essas metodologias, que são justamente estratégias para lidar com as evidências colhidas pelos trabalhos empíricos.

Neste grau de generalidade, da gestão das evidências, resta claro também que as questões metodológicas são relevantes para discursos diversos do científico, pois elas também se ligam com o movimento da gestão pública baseada em evidências, que é fundamental para pensar os trabalhos jurídicos que refletem sobre a estrutura das instituições judiciais e sobre a possibilidade de compreender e ampliar a sua efetividade.

Depois da medicina baseada em evidências e da administração baseada em evidências são formas de conferir mais relevância ao conhecimento científico do que à experiência pessoal. Em todo campo no qual o profissional confie mais em suas intuições do que em pesquisas que tratam de uma multidão de situações concretas, as o pensamento baseado em evidências cede a outros sistemas de tomada de decisão.

No Direito, não é diferente. Qual é a forma adequada de fazer uma petição? Qual é o resultado processual que garante um equilíbrio fiscal mais sólido? Qual é a forma de julgar que garante maior sensação de justiça para os jurisdicionados? Podemos responder isso tudo a partir da experiência de algumas pessoas. Podemos buscar fatos. Identificar os fatos e interpretá-los é a estratégia da ciência, e levar em conta as pesquisas científicas é um caminho de gestão que valoriza a pesquisa e, além disso, justifica o investimento social na produção de conhecimento.

Nesse sentido, os objetivos deste módulo são:

  • Compreender o que é um problema de pesquisa e a necessidade de desenvolver estratégias de abordagem adequadas ao enfrentamento desse problema.
  • Identificar os tipos de pergunta que podem ser respondidos pela pesquisa em direito.
  • Entender o significado da pesquisa de dados.
  • Desenvolver a capacidade de formular perguntas e formular estratégias para respondê-las.

De forma complementar, apresentamos alguns textos sobre a estrutura do produto da atividade científica, que são os textos que veiculam os resultados das pesquisas. Essa compreensão da estrutura do discurso científico contemporâneo é importante para possibilitar uma leitura adequada dos artigos e a compreensão dos modelos textuais que são utilizados pelos pesquisadores na divulgação dos seus resultados.

3. Leituras

3.1 Leitura obrigatória

1: Costa, Alexandre; Horta, Ricardo. O planejamento da pesquisa. Metodologia.Arcos, 2020.
  1. Qual a diferença entre o tema e o problema?
  2. Que tipos de pergunta podem se respondidos pela pesquisa?

2: Costa, Alexandre. Análise de dados. (Primeiro tópico do texto Estratégias de abordagem - o restante do texto fica como leitura sugerida). Metodologia.Arcos, 2020.

3: Epstein, Lee; Martin, Andrew (2014). An Introduction to Empirical Legal Research. Oxford: Oxford University Press. Cap. 2: Questions, Theories, Observable implications.

3.2 Leitura sugerida

1: Costa, Alexandre; Fulgêncio, Henrique. Estratégias de abordagem. Metodologia.Arcos, 2020.

2: Costa, Alexandre; Horta, Ricardo (2020). As modalidades de textos acadêmicos.

3: Costa, Alexandre; Horta, Ricardo (2020). Modelo de projeto de pesquisa.

3.3 Literatura complementar

1: DSD - Módulo Complementar I: Limites e possibilidades da pesquisa empírica sobre comportamento judicial

2: Pfeffer, J.;  Sutton, R. I. (2006). Evidence-Based Management. Harvard Business Review, janeiro.

3: Dumont, Jean-Luc (2010). English Communication for Scientists. Unidade 2.1: Structuring your scientific paper. Cambridge: NPG Education.

4: Aragão, Rodrigo M. L (2011). de. Modelos de estruturação do artigo científico: retrato e discussão a partir de instruções aos autores da Scielo Brasil. Cadernos de Letras da UFF, n. 43, pp. 153-163.

5: Pereira, Mauricio Gomes (2012). Estrutura do artigo científico. Epidemiol. Serv. Saúde [online]. 2012, vol.21, n.2 [citado  2020-08-08], pp.351-352.

4. Atividades

4.1 Atividade obrigatória: Python para Juristas, Módulo 1

4.2 Atividade complementar: Esboço do desenho de pesquisa